“A educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda.

Paulo Freire

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

6º ANO - COMUNICAÇÃO - Código e linguagens

Leia:









A comunicação ocorre quando interagimos com outras pessoas utilizando linguagem.
Para que haja comunicação, podem ser utilizados gestos, palavras, expressões corporais e faciais (código). Tudo isso também é linguagem.
Linguagem é um processo comunicativo pelo qual as pessoas interagem entre si.
Código – conjunto de sinais que nos permite estabelecer comunicação com os outros indivíduos.

Linguagem verbal e linguagem não-verbal

ELEMENTOS PARA A COMUNICAÇÃO

Para que a comunicação a aconteça por meio do código verbal, são necessários seis elementos:
Emissor – quem deseja comunicar-se.
Receptor – a quem a mensagem se destina.
Mensagem – a(s) informação(ões) transmitida(s).
Referente – o assunto da mensagem.
Contato – constituído pelo CANAL (suporte físico que transporta a mensagem) e a CONEXAO PSICOLÓGICA (o desejo de transmitir do emissor e a atenção do destinatário).
Código – sistema de elementos linguísticos selecionados e de regras para combiná-los, conhecido tanto pelo emissor quanto pelo receptor.

Dependendo do tipo de sinal utilizado, a linguagem pode ser:
·         verbal – é uso da escrita ou da fala como meio de comunicação.











·         não-verbal - é o uso de imagens, figuras, desenhos, símbolos, dança, postura corporal, pintura, música,  escultura e gestos como meio de comunicação. 








As variedades linguísticas

Leia:
Tipos de Assaltantes

O texto de humor que segue foi veiculado na internet.

"Assaltante Nordestino"
-Ei bichim...Isso é um assalto...arriba os braço e não se bula num se cague e num faça munganga...Arrebola o dinheiro no mato e não faça pantim se não eu enfio a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora...Perdão meu padim Ciço,mas é que eu tô com uma fome da moléstia. 

"Assaltante Mineiro"
-Ô sô,prestenção...isso é um assarto,uai...levanta os braço e fica quetin que esse trem na minha mão,tá cheio de bala...Mió passa logo os trocados que eu num tô bão hoje.Vai andando, uai!!!

"Assaltante Gaúcho"
- O gurí ficas atento...Báh,isso é um assalto...levanta os braços e te aquieta,Tchê!!Passa os pila pra cá...e te manda a la cria,senão os quarenta e quatro fala!

"Assaltante Carioca"
-Seguiiiinte bicho...tu te ferrô, isso é um assalto...passa a grana e levanta os braços,rapá...não fica de boboeira que eu atiro bem pra caraca, rapá...vai andando..e se olhar pra trás vira presunto.

"Assaltante Baiano"
-Ô meu rei...(longa pausa), Isso é um assalto...(longa pausa),levanta os braços e num se avexe não....(longa pausa),se não quiser nem precisa levantar,pra não ficar cansado...(longa pausa),vai passando a grana bem devagarzinho...(longa pausa),num repara se o berro tá sem bala,é pra num ficá pesado...num esquenta irmãozinho...(longa pausa),vou deixar teus documentos na encruzilhada.

"Assaltante Paulista"
-Ôrra meu...isso é um assalto,meu...levanta os braços ,meu...passa logo a grana,meu...mais rápido,meu...que eu ainda preciso pegar a bilheteria aberta pra comprar o ingresso do jogo do Corinthians,meu...pô se manda,meu...

O primeiro contato que nós temos com a língua é em casa, com a família e as pessoas do convívio social. O vocabulário vai ampliando e, finalmente, nos tornamos bons usuários dela, tanto para falar ou ouvir, escrever ou ler.
O contato que temos com diferentes pessoas, em outros ambientes como no trabalho, na rua e na escola, observamos que nem todos falam como nós por diversos motivos: região diferente; por ser mais velha ou mais jovem; por possuir maior ou menor grau de escolaridade; por pertencer a diferente classe social. Essas diferenças formam as variedades linguísticas.

·         Variedade linguística é cada um dos sistemas em que uma língua se diversifica, em função das possibilidades de variação de seus elementos (vocabulário, pronúncia, morfologia, sintaxe).
·         Norma culta ou padrão é a variedade linguística de maior prestígio social.
·         Variedade não padrão ou língua não padrão  são todas as variedades linguísticas diferentes da padrão.

Há muitos preconceitos sociais em relação a variedades não padrão, mas elas são válidas e têm valor nos grupos de comunidades em que são usadas. Contudo, em situações sociais que exigem maior formalidade – como uma entrevista para obter um emprego, um requerimento, uma carta dirigida a um jornal ou uma revista, uma exposição pública, uma redação num concurso público -, a variedade linguística exigida quase sempre é a padrão. Nesse caso, não usamos abreviações, reduções de palavras, nem termos coloquiais, e, sim, uma linguagem chamada língua formal.
Se tratarmos com pessoas mais próximas, ou seja, se há maior intimidade entre os interlocutores, empregamos a linguagem informal, que se caracteriza pelo uso de termos coloquiais e de gírias.

·         Língua formal é a linguagem mais bem cuidada, falada entre pessoas de menor intimidade.
·         Língua informal é a linguagem mais familiar usada entre pessoas de menor cerimônia.

Gíria

A gíria é uma das variedades que uma língua pode apresentar. É uma forma de linguagem baseada em um vocabulário especialmente criado por um determinado grupo social com o objetivo de servir de emblema para os seus membros, distinguindo-se  dos demais falantes da língua, como o dos faz de rap, de funk, de heavy metal, os surfistas, os skatistas, os grafiteiros, os policiais, etc. Quando restrita a uma profissão, a gíria é chamada de jargão. É o jargão dos jornalistas, dos médicos, dos dentistas e outras profissões. 

4 comentários: